Compartilhar:

A Saúde Auditiva do Professor

Category: Fonoaudiologia Comentários: 0

A profissão é uma das mais prejudicadas pelo ambiente da qual exercita suas funções.

Carteiras arrastando, conversas altas entre os alunos, sinais que tocam constantemente. O ambiente ruidoso das escolas contribui – e muito – para que os professores sofram mais perdas auditivas que outros profissionais.
Um estudo apontou que 15% dos docentes foram diagnosticados com perdas auditivas. Entre demais profissionais, esse número não ultrapassou 12%. Infelizmente, pesquisas mostram que os professores estão sentindo o peso da sua perda auditiva não tratada e isso os afeta no trabalho de várias maneiras.
Dos professores com suspeita de perda auditiva, mais de metade disseram que muitas vezes pedem para as pessoas repetirem o que disseram. Um terço deles também afirmou que muitas vezes  não entende o que está sendo dito, e um quarto disse que frequentemente se sente estressado ​​ou cansado depois de ter que falar ou ouvir por períodos prolongados.
Um estudo recente do Centro de Ambiente Educacional também indicou que climas internos ruidosos podem resultar em menor satisfação no trabalho, aumento da fadiga, cansaço e falta de energia e motivação entre os professores.

Preconceito e altos custos

“Há muitas razões que levam os professores a não procurarem tratamento – desde aconsiderarem isso como um sinal de envelhecimento até preocupações financeiras”.

Importância do tratamento precoce

Apesar de serem os principais afetados pelas perdas auditivas, a dificuldade em procurar tratamento rápido afeta profissionais de todas as áreas. Muitas pessoas de todas as profissões simplesmente não entendem a importância de começar o tratamento imediato para a perda, outra barreira para a procura de cuidados de audição.
Infelizmente, quando as pessoas não tratam a perda de audição tendem a fazer coisas como aumentar a televisão, o que pode piorar o problema. Além disso, a dificuldade de comunicação pode levar ao isolamento social e desligamento, o que pode predispor ainda mais as pessoas a evitar a busca de tratamento. A intervenção precoce e o uso de aparelhos auditivos para escutar melhor podem amenizar e até impedir declínio cognitivo.