Compartilhar:

Os benefícios do exercício físico na Menopausa

Category: Ginecologia Comentários: 0

Evidências mostram que pessoas fisicamente ativas possuem maior longevidade e menores taxas de complicações na sua saúde física e mental.

O envelhecimento acarreta o aparecimento de diversas doenças, entre elas, diabetes, a osteoporose e a hipertensão arterial. As doenças cardíacas possuem grande importância na área de Saúde Pública, já que a incidência de hipertensão arterial eleva-se significativamente em adultos, podendo chegar a 20%, e continua a elevar-se com a idade, chegando a 80% da população acima de 80 anos.

Observa-se que as mulheres, até a menopausa, apresentam menor prevalência de alterações cardíacas em relação aos homens. No entanto após a menopausa, este quadro se altera e, as mulheres passam apresentar incidência igual aos homens. Acredita-se que a deficiência de estrógenos, alterações do perfil lipídico, ganho de peso e sedentarismo sejam os principais fatores associados à maior prevalência de hipertensão arterial em mulheres na menopausa.

Evidências mostram que pessoas fisicamente ativas possuem maior longevidade e menores taxas de complicações na sua saúde física e mental. Assim, o exercício físico regular, preferencialmente o aeróbio, é utilizado como substituição de medicamentos na prevenção ou tratamento de diversas doenças, como a hipertensão arterial, diabetes, a osteoporose e a disfunção erétil.

Diferentes tipos de exercício físico aeróbio tem sido empregados para a promoção da saúde, entre eles a caminhada, a natação e o ciclismo. O treinamento físico contínuo, no qual a intensidade é mantida constante (leve/ moderada), é o mais empregado como abordagem não farmacológica dentro da área de Saúde com evidentes efeitos benéficos sobre as doenças cardiovasculares e endócrinos-metabólicas. O ideal desta atividade é de pelo menos 30 minutos (variando de 40 a 60 minutos) três dias por semana.

Considerando que as mulheres possuem maior longevidade do que os homens, e que, após a menopausa, a incidência de doenças cardiovasculares é equivalente a dos homens, os gastos com saúde na população feminina aumentam significativamente nesta fase da vida. Considerando ainda que, apesar dos avanços no diagnóstico e no tratamento da hipertensão arterial, nos últimos 25 anos, a incidência da hipertensão continua elevada, cerca de 25% da população apresenta hipertensão arterial, e, desses, cerca de 50% pertencem a faixa etária acima de 40 anos.

Assim, medidas urgentes de controle dos níveis de pressão arterial na população precisam ser tomadas e políticas públicas baseadas em resultados de pesquisa devem ser priorizadas para a população brasileira. Diversas abordagens têm sido empregadas na tentativa de reduzir a incidência de hipertensão arterial e as complicações associadas em mulheres na menopausa. A maioria dos trabalhos mostra que, neste momento, a mudança no estilo de vida parece ser a melhor abordagem no controle da hipertensão arterial e seus fatores de risco nesta fase da vida da mulher- entre eles a prática de atividade física regular.

Conteúdo por: Drª Giniecologista Sonia Nicola