Compartilhar:

Tudo sobre: Câncer do Colo Uterino.

Category: Ginecologia Comentários: 0

Estima-se que o rastreamento em mulheres entre 20 e 64 anos reduz a incidência de câncer cervical em 91%

O câncer de colo uterino é um tumor que acomete a porção inferior do útero, chamada colo ou cérvix. Existem algums métodos como a Citologia vaginal (Papanicolau, Preventivo do Câncer) que pode rastrear o câncer de colo uterino.

É uma técnica fácil e de baixo custo que apresenta sensibilidade e especificidade, para alterações cérvico-vaginais, sendo muito baixa a taxa de falsos negativos, somente ocorrendo quando a coleta do exame for mal realizada. Estima-se que o rastreamento em mulheres entre 20 e 64 anos reduz a incidência de câncer cervical em 91%. O exame é recomendado para todas as mulheres sexualmente ativas independentes da idade, portanto não é diferente nas pacientes no climatério. A coleta deverá ser feita fora do período menstrual com, pelo menos, 48 horas da última relação e, deve-se evitar a realização de ducha vaginal antes da coleta.

O intervalo entre as coletas varia de acordo com o risco da paciente em desenvolver o câncer de colo. As pacientes com múltiplos parceiros sexuais, baixo nível sócio econômico, imunossuprimidas ou com lesões anteriores em vulva, vagina ou colo deverão ter seus exames colhidos em espaço de um ano. As outras poderão ter seus exames colhidos a cada dois anos.

Até quando realizar o exame citopatológico? A coleta do preventivo pode ser interrompida aos 65 anos, se os exames anteriores forem normais repetidamente; caso não haja exames anteriores, segue recomendada sua coleta ainda que a paciente tenha idade mais avançada.

Em pacientes não imunocomprometidas a evolução da lesão cervical desde o colo normal até o câncer invasor leva em torno de oito anos. Sendo assim, o Papanicolau se colhido de forma adequada e periodicamente, permite o diagnóstico precoce de lesões pré-neoplásicas e neoplasias iniciais de colo. O início precoce do tratamento melhora o prognóstico da paciente, levando muitas vezes a resolução completa do problema.

Conteúdo por: Drª Ginecologista Sonia Nicola